terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Desenhos, sonhos e oportunidades

Desde pequenininha gosto de desenhar e pintar. Eu me sentava com uma folha de papel e com o lápis eu riscava casinhas na colina, árvores, rios, flores, pássaros voando e o sol brilhando no céu azul. O típico desenho infantil. Mas o que eu mais gostava de desenhar eram casas. Eu fazia planta de casas ou então as desenhava por dentro com todos os detalhes: móveis, tapetes, objetos de decoração, como almofadas, abajures, quadros na paredes, os utensílios de cozinha, tudo. Eu era tão minuciosa em meus desenhos que ficava horas fazendo cada detalhe. Acho que eu deveria ter sido arquiteta ou designer de interiores. Eu segui desenhando e pintando até os dias de hoje, com menos frequência, é claro, devido a outros compromissos próprios da idade adulta.

Aqui apresento algumas de minhas artes mais recentes

Três telas com óleo sobre tela (2004-2005)



Óleo sobre tela (2009)



Painel de colagem com retalhos de tecidos coloridos


Pintura com tinta para tecido



Mas como era meu destino não ser arquiteta, nem artista plástica e nem designer de interiores, concluí o Magistério (Ensino Médio), em 1993. Minha situação financeira, na época, não me permitia estudar fora, então me vi obrigada a cursar Pedagogia, o curso mais apropriado e mais barato para alguém  que já atuava em sala de aula.
Na época eu queria fazer Psicologia, mas a cidade mais próxima a oferecer o curso ficava a uns 400km. Em 2005 eu tive a oportunidade de começar a cursar Psi e me apaixonei pelo curso também. E embora eu ame estas duas áreas, tenho a plena convicção de que nos dias atuais, não podemos fazer apenas o que gostamos. Devemos pensar em oportunidades que nos remunere melhor e que nos dê a certeza de um futuro mais seguro. Mas como o mundo dá voltas e nem sempre aquilo que planejamos sai como queremos, tive de trancar o curso devido a uma nova mudança de cidade.

Felizmente eu não sossego. No ano passado fiz minha pós e estudei para dois concursos públicos: Receita Federal e Polícia Federal. Infelizmente não passei, pois estes concursos priorizam a área de Direito. Mas lá vou eu para mais um que acontecerá em março. Estou prestes a fazer a inscrição e deitar os cabelos nos livros mais uma vez.
Neste mundo competitivo e cruel quero ter condições de dar à minha filha as oportunidades que eu não tive quando era mais jovem. Quero que ela tenha condições de fazer o curso que quiser sem as dificuldades e atrasos que muitos jovens como eu enfrentaram.
O tempo passa minha gente e as oportunidades não devem ser jogadas fora nunca.
E para reforçar o que estou dizendo, aqui segue um belo poema de Mario Quintana sobre o tempo e as oportunidades:

"O tempo


A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará."

Nenhum comentário:

Postar um comentário