sexta-feira, 29 de abril de 2011

Alimento da alma


Música para alimentar a alma, 
para cerrar os olhos e sonhar acordado, 
Notas musicais que nos carregam pelo vento
e nos fazem voar alto e para bem longe.
Sobrevoar montanhas, bosques, rios e mares.
Sobrevoar o tapete de retalhos, 
que forma a vida real e concreta
do mundo que conhecemos.
Sentir a brisa fresca da noite iluminada pelas estrelas que 
seguem caladas na escuridão,
salpicando o céu de pontos brilhantes.
Deixar as notas carregarem o pensamento 
para o mundo das coisas possíveis.
Chegar ao lugar que só se chega em sonhos.
Ou em devaneios.
E depois...
 adormecer com o espirito inebriado, a alma em êxtase,
satisfeita pelo alimento invisível que 
preencheu o vazio da existência,
o lugar onde moram os desejos, os sonhos mais secretos,
as sensações mais intensas...
o ponto de partida, 
a arte de viver e sentir-se vivo, 
no sentido mais completo e nobre!

terça-feira, 19 de abril de 2011

ABL. Machado de Assis. Ronaldo Gaúcho??


O que está acontecendo neste país?
A Academia Brasileira de Letras concede a medalha Machado de Assis, honraria máxima da academia, para Ronaldinho Gaúcho?
Juro que estou tentando entender até agora.
Machado de Assis deve estar se revirando no túmulo. Como comentou sabiamente o sr. Prates (SBT) essa honraria deveria ser concedida para intelectuais, estudiosos, professores, escritores. Pessoas que contribuem para o desenvolvimento e aperfeiçoamento da nossa língua  e da produção literária brasileira. Onde entra o Ronaldinho nessa equação?
Se ele é bom jogador? No último jogo do flamengo, onde dei apenas umas poucas olhadelas, eu nem sabia que ele estava jogando, pois ele pouco apareceu. Só se ele jogava melhor quando recebia em Euro.
Bom, de futebol, não entendo quase nada, mas posso afirmar que a ABL fez uma falta grave nessa ocasião.
Há muita gente boa por aí: escritores, professores, pesquisadores, autodidatas. Esses continuarão no esquecimento com suas produções que talvez nunca sejam reconhecidas. Realmente esse é o país do tudo pode. E como eu comentei no blog de um colega que compartilha da mesma opinião, as instituições que um dia foram sérias, transformaram-se em picadeiro de circo!